Meu tapete nunca fica vazio


"Meu tapete nunca fica vazio.
Tem dias que entulho tanta coisa lá debaixo que derruba o que tiver em cima.
Brigo com o mundo, choro um pouquinho, me sinto a
mais desequilibrada das mulheres, espero pelo dia seguinte. 
Mas há manhãs em que acordo cheia de amor próprio.
Dou risada desse auê todo. Ignoro o tapete já pau a pau com o Monte Everest
e vou bela e formosa (cansada e de piranha no cabelo) tomar um banho demorado..."
(trecho do livro 60 dias de Neblina)